29/12/14

incapacidade

"A solidão não é viver só, a solidão é não sermos capazes de fazer companhia a alguém ou a alguma coisa que está dentro de nós, a solidão não é uma árvore no meio da planície onde só ela esteja, é a distância entre a seiva profunda e a casca, entre a folha e a raiz."

José Saramago


© a.a.v.alves
figueira da foz, 29.12.14

mais além?

"Foi um processo longo e difícil, como sempre o são as aproximações entre duas pessoas habituadas a estarem sozinhas. Primeiro parece fácil, é o coração que arrasta a cabeça, a vontade de ser feliz que cala as dúvidas e os medos. Mas depois é a cabeça que trava o coração, as pequenas coisas que parecem derrotar as grandes, um sufoco inexplicável que parece instalar-se onde dantes estava a intimidade. É preciso saber passar tudo isso e conseguir chegar mais além, onde a cumplicidade - de tudo, o mais díficil de atingir - os torna verdadeiramente amantes."
[Miguel Sousa Tavares]
os teus medos. a tua ausência. 
o meu fogo. a minha vontade. o meu sufoco.
quereremos, ambos, a cumplicidade?


28/12/14

oásis. deserto.

"Não deixes que termine o dia sem teres crescido um pouco, 
sem teres sido feliz, sem teres aumentado os teus sonhos. 
Não te deixes vencer pelo desalento. 
Não permitas que alguém retire o direito de te expressares, que é quase um dever. 
Não abandones as ânsias de fazer da tua vida algo extraordinário.
Não deixes de acreditar que as palavras e a poesia podem mudar o mundo.
Aconteça o que acontecer a nossa essência ficará intacta.
Somos seres cheios de paixão.
A vida é deserto e oásis.
Derruba-nos, ensina-nos, converte-nos em protagonistas de nossa própria história.
Ainda que o vento sopre contra, a poderosa obra continua: tu podes tocar uma estrofe.
Não deixes nunca de sonhar, porque os sonhos tornam o homem livre."
Walt Whitman

© a.a.v.alves, coimbra, dez.2014

27/12/14

extreme sensivity

"This, then, is the human problem: there is a price to be paid for every increase in consciousness. We cannot be more sensitive to pleasure without being more sensitive to pain. By remembering the past we can plan for the future. But the ability to plan for the future is offset by the "ability" to dread pain and to fear of the unknown. Furthermore, the growth of an acute sense of the past and future gives us a corresponding dim sense of the present. In other words, we seem to reach a point where the advantages of being conscious are outweighed by its disadvantages, where extreme sensitivity makes us unadaptable." 
Alan W. Watts, The Wisdom of Insecurity: A Message for an Age of Anxiety



artwork by Marline van der Eijk

24/12/14

magnetic. connect.

"That’s what really scares me.
Falling in love is easy. Having sex is easier. But bumping into someone that can spark your soul - that shit is rare.
You could fuck four, five, all the people in a god damned room and you’d only feel a connection with one. Or none at all.
And what sucks is despite the undeniable real magnetic pull between the two of you, more often than not, you don’t end up together.
I’m afraid I won’t meet anyone else I can connect with.
I’m scared it’ll be just you.”
Connection, Sade Andria Zabala


artwork by Polina Washington

passado. futuro. presente.

vive o presente, tó!

que não te pese o passado
como se a vida te tivesse passado ao lado e a quisesses reaver toda inteira
agora

numa ânsia desenfreada de futuro
agora


faz as pazes com o passado. sonha o futuro. saboreia, sem pressas, o presente. carpe diem


obrigado, p., por me lembrares. parece tão evidente...

23/12/14

ânsia

para S.:

tenho a cegueira nas mão, na ânsia de encontrar as tuas

cavo novos buracos enquanto tento fechar velhos fossos
numa urgência de vida que traz consigo a morte

mergulho na tua sombra à procura da luz. o teu sol declina
não quero a tua escuridão. já tenho a minha

deslizo na lâmina da dor quando dela quero escapar
a voar 

tens silêncios de arame farpado que riscam o fogo do meu tórax
viro gelo. as garras no nada a esgravatar o frio

construo o vazio na ânsia de o preencher

pressentimos ao longe o dialeto do mar: essa voz em movimento que sussurra a imutabilidade

coimbra, 23.12.14
os versos em itálico foram retirados de O Nome das Árvores, de Rui Fragas



22/12/14

inner light

to you, P. e S.:

Take me out tonight
Where there's music and there's people
And they're young and alive
Driving in your car
I never never want to go home
Because I haven't got one
Anymore

Take me out tonight
Because I want to see people and I
Want to see life
Driving in your car
Oh, please don't drop me home
Because it's not my home, it's their
Home, and I'm welcome no more

And if a double-decker bus
Crashes into us
To die by your side
Is such a heavenly way to die
And if a ten-ton truck
Kills the both of us
To die by your side
Well, the pleasure - the privilege is mine

Take me out tonight
Take me anywhere, I don't care
I don't care, I don't care
And in the darkened underpass
I thought oh God, my chance has come at last
(But then a strange fear gripped me and I
Just couldn't ask)

Take me out tonight
Oh, take me anywhere, I don't care
I don't care, I don't care
Driving in your car
I never never want to go home
Because I haven't got one, da
Oh, I haven't got one

And if a double-decker bus
Crashes into us
To die by your side
Is such a heavenly way to die
And if a ten-ton truck
Kills the both of us
To die by your side
Well, the pleasure - the privilege is mine

Oh, there is a light and it never goes out 
There is a light and it never goes out



Ø Phase - CLR Podcast 301

Ø Phase - CLR Podcast 301 (01.12.14). 

DJ e produtor de techno do Reino Unido,  Ø Phase é mais conhecido pelo seu trabalho com a editora belga Token Records. 

Magnífico, como sempre!

 

 
Tracklist
    [00] Jake Conlon - Intro
    [??] Ø [Phase] - Binary Opposition (Stripped Mix)
    [??] Ben Buitendijk - Third Magnitude
    [??] Mike Parker - Reduction
    [??] Hiss 1292 - Simbi
    [??] ? (Alien Worlds)
    [24] Samuli Kemppi - 250 Days [M_REC - MRECLTDLP 01]
    [27] Mark Broom - Silenced (Part 4) [Beard Man - BMD 009]
    [30] Joachim Spieth - Never Mind (The Plant Worker Remix) [Affin - 145]
    [33] TWR72 - Deform [Float - 002]
    [38] Eric Fetcher - Cycle Controls [LCR - 053]
    [41] Rødhåd - Haumea (Ø [Phase] Satellite Mix) [Token - 47D]
    [46] Ø [Phase] - Follow [Token - 11D]
    [49] ?
    [56] Kwartz - Breakage (Exium Remix) [Polegroup - 026]
    [59] Yan Cook - Cubism [Planet Rhythm - PRRUKLTDYC]
    [64] Monobox - Film [M Plant - M.PM 22]
    [68] Marcel Dettmann - Lightworks (Ø [Phase] Remix)

21/12/14

freedom, not fear

para a P. e para a S.:

on the other side of fear lies freedom



how soon is now?

to you, S.
I am the son and the heir
Of a shyness that is criminally vulgar
I am the son and heir
Of the nothing in particular


You shut your mouth, how can you say
I go about things the wrong way
I am human and I need to be loved
Just like everybody else does


I am the son and the heir
Of a shyness that is criminally vulgar
I am the son and the heir
Of nothing in particular


You shut your mouth, how can you say
I go about things the wrong way
I am human and I need to be loved
Just like everybody else does


There's a club
If you'd like to go
You could meet somebody
Who really loves you


So you go and you stand on your own
And you leave on your own
And you go home
And you cry and you want to die


When you say it's gonna happen now
Well, when exactly do you mean?
See, I've already waited too long
And all my hope is gone


You shut your mouth, how can you say
I go about things the wrong way
I am human and I need to be loved

Just like everybody else does


20/12/14

and suddenly...

from me to you, P.

This world is not like mine
This future's far behind suddenly
I have no points of reference now
So suddenly our magnetic worth
Won't point the same way north

So suddenly, I'm free to fall
Far away from it all
But I can't move at all

This plan is not like mine
These walls aren't my design
Suddenly, I have no scale or balance now
So suddenly these creases
Are folding in and up and closing

Suddenly, I'm free to fall
Far away from it all
But I can't move at all





love's a secret domain


Coil - Love's Secret Domain
Oh rose, thou art sick
Seduce.. let loose
The vision and the void
Blood sickle.. honey suck

In little children's heavy heads
My dreams erupt while in my bed
Innocence is dripping red

In dreams I walk with you
In dreams I talk with you
In dreams
You're mine
All of the time

Heads on fire and drunken lights
Days devoured by hungry nights
In love's secret domain
This is mad love
This is mad love
In love's secret domain

Sweet tortures fly on mystery wings
Pure evil is when flowers sing
My heart
My heart is a rose
This is mad love, Oh
This is mad love
In love's secret domain

Give sanity a longer leash
Some of us have sharper teeth
In love's secret domain

In dreams I walk with you..
In dreams I talk with you
In dreams..
You're mine
All of the time

Oh rose, Thou art sick
The invisible worm
The vision and the void
The blood sickle cuts
And the honey sucks

Oh rose, thou art sick.

15/12/14

pétalas

gosto de contemplar flores. têm beleza!
gosto de rosas... as rosas, no entanto, têm espinhos.
os espinhos picam. o sangue cai. escorre, devagar... como pétalas de rosa.




1 + 6 = 7

hoje vi-te. quis depois rever-te, sem formalismos. restou-me o silêncio. 
dizes que queres, mas não podes. eu quero sempre. eu posso sempre. 
partilhamos um desejo desencontrado. 
seis dias a desejar um dia. quem mo dera sempre eterno... 
mora em mim um buraco. haverá nele um lugar para ti sempre ausente?


@ antónio alves
figueira da foz, 15.12.12

14/12/14

inverno

no inverno chegam as nuvens, que cobrem o azul do céu. o sol amornece. por vezes chove: a natureza derrama sobre nós um choro líquido, frio, triste.
detesto o inverno.


© antónio alves
figueira da foz, novembro 2014


you, my love

there's light and shadow in love.
you are my light. you are my shadow.
i love you, my light. i hate you, my shadow.



© antónio alves
coimbra, novembro 2014

11/12/14

antónio variações - canção do engate



Tu estás livre e eu estou livre
E há uma noite para passar
Porque não vamos unidos
Porque não vamos ficar
Na aventura dos sentidos

Tu estás só e eu mais só estou
Tu que tens o meu olhar
Tens a minha mão aberta
À espera de se fechar
Nessa tua mão deserta

Vem que amor
Não é o tempo
Nem é o tempo
Que o faz
Vem que amor
É o momento
Em que eu me dou
Em que te dás

Tu que buscas companhia
E eu que busco quem quiser
Ser o fim desta energia
Ser um corpo de prazer
Ser o fim de mais um dia

Tu continuas à espera
Do melhor que já não vem
E a esperança foi encontrada
Antes de ti por alguém

E eu sou melhor que nada

09/12/14

2 ou 3

"estamos frente a frente na varanda que talvez não exista.
mas que importam as gramáticas do abismo quando duas ou três palavras se aproximam para conjugar a evidência de um verbo."
O Nome das Árvores, Rui Miguel Fragas


 © antónio alves
coimbra, 08.12.14

08/12/14

contos dos subúrbios - shaun tan

encontrei este livro, esquecido no fundo de uma estante de uma livraria. senti-me como se tivesse encontrado um pequeno-grande tesouro!
estórias deliciosas, acompanhadas por ilustrações magníficas!






05/12/14

lume, cinza, flores e palavras

no interior das coisas luminosas nasce cedo a cinza quando o lume é mais intenso. e de um lume maior a cinza não fecunda mais.

não te ofereço mais flores.

(...)
uma só palavra pode ruir os alicerces de um livro. porque também as palavras sufocam as palavras; e é mais funda a ferida quando a sombra duplica.

não te ofereço mais palavras.
de O Nome das Árvores, Rui Miguel Fragas



© antónio alves
figueira da foz, dezembro 2014

30/11/14

grey / black

grey is the new black.
...
my sun is cloudy. i have a dark day.


© antónio alves
figueira da foz, novembro 2014


18/11/14

às vezes

"Às vezes penso em ti como quem habita ao longe um lugar perto da tua alma. (...)
Às vezes penso em ti como quem espera por ti enquanto caminhas por uma rua distante. (...)
Às vezes penso em ti como quem procura o teu rosto nas paredes vazias de um quarto. (...)
Às vezes penso em ti como quem desenha uma casa para guardar o coração."

O Nome das Árvores, Rui Miguel Fragas


29/10/14

fotossíntese

hoje esteve um dia de sol, um dia quase-verão. à tarde, fui à praia... fiz a fotossíntese.





© antónio alves
figueira da foz, 29.10.14

21/10/14

adeus.

"Em física, movimento é a variação de posição espacial de um objeto ou ponto material no decorrer do tempo. (...)
Aristóteles define o movimento como passagem de potência a ato, distinguindo o movimento como deslocamento no espaço; como mudança ou alteração de uma natureza; como crescimento e diminuição; e como geração (criação) e corrupção (destruição)."
retirado de: Wikipédia





15/10/14

silêncios


iludi-me.

falei.
ficou o silêncio
como se o teu silêncio dissesse tudo.

menti.
ficou o silêncio
como se o meu silêncio dissesse tudo.

falamos em silêncios.

acordei.

silêncios.
to S.

08/10/14

esquecimento

tenho um buraco no peito. custa-me respirar.
quis mergulhar em ti de cabeça. bati num chão de tristezas.
agora puxas-me,
e caio de costas no teu mar.
mas eu não me sei mexer.
esqueci os movimentos do corpo para a harmonia com a água.
não sei nadar.
mas sobretudo não consigo respirar...
e não sei nadar.

a fome deixou-me. divorciei-me do sono. tatuei-te no pensamento.
tenho um buraco no peito. custa-me respirar.



07/10/14

D'Alva - "Homologação"

quem me dera ver as coisas noutra perspectiva
sem qualquer falsa esperança nem grande expectativa
se fosse fácil como gritar
por que é que temos de complicar
quando eu só quero cantar
bem alto

quem me dera dominar e controlar as situações
e evitar as confusões geradas pelas ilusões
se fosse fácil como gritar

porque não simplificar
quando só quero ouvir-vos cantar
bem alto

deixa-me a glória
deixa-me a honra
letra: Alex D' Alva Teixeira



"Digital Amnesia", Bregtje van der Haak, VPRO (doc.)

Our memory is dissipating. Hard drives only last five years, a webpage is forever changing and there’s no machine left that reads 15-year old floppy disks. Digital data is vulnerable. Yet entire libraries are shredded and lost to budget cuts, because we assume everything can be found online. But is that really true? For the first time in history, we have the technological means to save our entire past, yet it seems to be going up in smoke. Will we suffer from collective amnesia?

This VPRO Backlight documentary tracks down the amnesiac zeitgeist starting at the Royal Tropical Institute in Amsterdam, whose world-famous 250-year old library was lost to budget cuts. The 400.000 Books were saved from the shredder by Ismail Serageldin, director of the world-famous Library of Alexandria, who is turning the legendary library of classical antiquity into a new knowledge hub for the digital world.

Images as well as texts risk being lost in this ‘Digital Dark Age’. In an old McDonald’s restaurant in Mountain View, CA, retired NASA engineer Dennis Wingo is trying to retrieve the very first images of the moon. Upstate New York, Jason Scott has founded The Archive Team, a network of young activists that saves websites that are at risk of disappearing forever. In San Francisco, we visit Brewster Kahle’s Internet Archive that’s going against the trend to destroy archives, and the Long Now Foundation, which has put the long-term back on the agenda by building a clock that only ticks once a year and should last 10,000 years, in an attempt to reconnect with generations thousands of years from now.

Directed by Bregtje van der Haak / produced by VPRO Backlight, The Netherlands



05/10/14

pelo ecrã

espreito-te no meu ecrã
sonho-te
tentas chegar a mim, pelo teu ecrã
adivinhamo-nos, pelos nossos ecrãs
há um reflexo de ti no meu ecrã
um brilho
terás tu brilho fora do meu ecrã?
terei eu brilho no teu ecrã?


autor da imagem: Banksy

29/09/14

quase-verão

o verão, pelos vistos, ainda não se despediu. ainda bem.
hoje esteve um dia quase-verão. ainda bem. estive na praia. fez-me bem!









© antónio alves
figueira da foz, 29.09.14

27/09/14

sol. chuva. sol.

hoje à tarde, por volta das 5h, de repente o sol apagou-se e o céu rasgou-se aos bocados, num estrondoso ressoar de trovões.
amarelos raios ziguezagueantes brilharam por entre as nuvens.
tombaram nervosas gotas de chuva.
uma hora depois, o sol, tímido, reapareceu, amarelo-cinzento metalizado.
o outono quer substituir o verão.